quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Abraçar-te



Vim disposta a abraçar-te
Como as manhãs abraçam a relva
E como a relva abraça as folhas
E como as folhas abraçam as flores
E como as flores abraçam o olhar.

Vim disposta a abraçar-te o corpo
Como o sol o abraçaria diante do mar
E acariciar-te a fronte
Como um beijo de mãe em boa noite
E no despertar.

Vim disposta a manter-me do seu lado
A prestar-lhe toda a minha dedicação
Como fazem os anjos do céu
Em vigília por sua alma
Em eterna devoção

Vim elevar-te a auto-estima
Dar-te segurança, certeza, compreensão.
Vim admirar-te de perto e constante
Em nome de todos os instantes
Que habitaste meu coração.

Vim, enfim, entregar-te meu melhor
Como fazem os amigos verdadeiros
Nos momentos leves e nos derradeiros
Com inspiração espontânea e natural
Na mais profunda homenagem fraternal.

3 comentários:

  1. Oi Aliz!!!

    Que surpresa agradebilíssima passar por aqui e ver o meu bloguinho no meio desses blogões... rs rs rs

    Muito obrigada pela força.

    Ah, esse post me fez um bem danado.
    Obrigada, tava precisando.

    bjão linda!

    ResponderExcluir
  2. Estou divulgando meu novo blog
    www.gastronomiaefotografia.blogspot.com
    Se puder da uma passada lá!

    Atenciosamente
    Tati

    ResponderExcluir
  3. Aliz,


    A poesia brota da sua alma.
    A póesia faz parte de seu corpo com
    o coração, o pulmão
    em fim,
    sendo uma parte do seu cérebro
    exatamente aquela parte que
    por obra e graças do criador
    nos fazem ser poeta.
    O que temos hoje?
    Peesoas apressadsa, olhando sempre o relógio,
    atgropelando outras pessoas nas avenidas,
    pensando somente na sobrevivencia
    das suas sobrevidas
    e é dificil vermos
    npo meio da multidão um sorriso brotar
    brilhante,
    quierendo abraçar o amor, o irmão
    o pai a mãe,
    me abraçar,
    com palavras tão simples
    como o gesto a que se propões.
    Abraçar é tão fácil,
    por que comp0licam?
    Abraçar é tão puro,
    por que poluem?
    Abraçar é tão lindo,
    que merece um poema
    como esta perola que editaste,
    que brotou de dentro do seu jardim
    como uma flor que regasdia a dia.

    ResponderExcluir