quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Versos sem categoria


São tão simplistas teus versos!
Não se encaixam em nenhuma categoria.
Não é arte, não é nada,
O que você pretendia?

São tão bobos teus poemas!
Cheios de rimas previsíveis.
Falam de sentimentos tão rasos,
Facilmente reconhecíveis.

Não sei a quem escreve tanto.
Intriga-me essa tua insistência.
Ou gosta de conversar com o vazio,
Ou quer provocar-me demência.

Investigo tuas letras,
Uma por uma, ponto e acento,
Fuço com zelo teus motivos,
Confundo-me de tanto que tento.

Irrita-me a tua pretensão.
Não é escritora nem dona da palavra,
E ainda assim expõe teu Português básico
Achando que meus sentimentos desbrava.

Desista!
Não hei de admirar-te.
Lerei tuas insanidades até meu último dia
Só pra desdenhar da tua arte.

Saiba que te leio com furor,
Revolta, maldade.
Poderia, ao menos, usar rimas mais nobres
Para denunciar minhas fraquezas à humanidade.

Um comentário:

Ronperlim disse...

Escrever versos exige emoção.

Dá-los gratuitamente ao leitor sem tocá-lo, não serve para nada.

São os versejadores.

Até mais!